Inspirações

Cuidados com brinquedos no banho

Cuidados com brinquedos no banho

Aprenda a higienizar corretamente os brinquedos dos bebês para evitar doenças.

 

Bebês e crianças pequenas adoram brinquedos no box do banheiro, mas alguns cuidados são fundamentais. Eles funcionam como veículos de transmissão e podem acarretar algumas doenças ao alojarem bactérias, fungos, vírus e ácaros, podendo ocasionar algumas doenças como conjuntivite, gastroenterite, gripes, asma e rinites, entre outras.

Para evitar transtornos, os brinquedos devem ser limpos regularmente, evitando que os microrganismos se multipliquem e provoquem doenças.

Periodicidade

Em brinquedos de bebês, pelo menos, uma vez por semana. O local da brincadeira e as caixas que armazenam os brinquedos também devem ser limpos com frequência.

Sinais de que o brinquedo está sujo além da conta

Não espere para fazer a higienização apenas quando manchas, bolores e até algum tipo de odor surgir. Nem sempre os sinais são visíveis.

Como higienizar brinquedos de plástico

Limpe com pano umedecido em álcool (o álcool a 70% é suficiente) se o brinquedo acumula água. Se não acumula, lave com sabão ou detergente neutro. Itens pequenos podem ficar de molho por 30 minutos em água com detergente (para depois serem enxaguados e postos para secar). Essa limpeza garante a retirada do pó e a higienização, mas não retira eventuais manchas.

Quando o brinquedo estiver seco, finalize passando um pano com álcool 70% para garantir total higienização. Já itens simples, como panelinhas, xícaras e peças de jogos, como lego, podem ser lavados à mão com detergente neutro e uma esponja macia. Depois, escorra até secar ou enxugue com um pano limpo e seco.

Itens feitos com borracha

Lave com água e detergente e esfregue delicadamente com a parte macia de uma esponja. Para secar, passe um pano seco e limpo. Cuidado: secar o brinquedo ao sol pode remover a sua cor, deixando o material com a aparência desbotada. Materiais de EVA podem ser lavados da mesma forma que os de borracha.

Exagerar também faz mal

Todo o processo de higienização deve acontecer sem exageros, porque também é importante que as crianças criem defesas e resistências a microrganismos, para fortalecerem o seu sistema imunológico.

Outros erros comuns:

Cuidado com os mitos em relação à contaminação dos objetos que estão em contato direto com as crianças, tais como: se a chupeta cair no chão vale a teoria dos 5 segundos? E se assoprar, resolve? Não há nada fundamentado nessas teorias, portanto, são todos mitos, crendices populares. A contaminação dos pertences, como brinquedos, chupetas e mordedores, depende de variáveis, logo, após o contato com a superfície considera-se que o objeto está, sim, contaminado.

É comum a criança ter apego a um brinquedo em especial que, mesmo velhinho, tem um valor afetivo. Porém, eles podem ter fissuras, estar quebrados, ressecados e manchados, exigindo maior atenção. Talvez descartá-los seria a melhor solução, porque os danos dificultam a higienização, acumulando com mais facilidade as sujidades e, principalmente, os microrganismos. Caso, contrário, vale a limpeza semanal para evitar possíveis doenças.

 

 

Fonte: Primeira Página.

 

 

Redes Sociais